setembro 2016

Monthly Archives

[vídeo] Pílula Anticoncepcional: como é a vida sem ela?

Para quem quer saber se existe uma vida melhor após parar de usar anticoncepcional

Adriana Souza, terapeuta floral, conta nessa entrevista que fiz com ela todos os detalhes da sua experiência com a pílula anticoncepcional, que impactou a vida dela muito antes de ela começar a usar, com sua mãe e sua irmã sofrendo consequências gravíssimas. E depois ela sofrendo com muitos efeitos colaterais durante seu uso.

Ela conta também como é muito melhor a sua vida sem hormônios artificiais, como ela se cuidar para não engravidar e para lidar com os sintomas incômodos do ciclo menstrual. E também compartilha as experiências de suas clientes que sofrem com tudo isso, e o que ela recomenda para você para resolver todos esse problemas agora!

 

 

anúncio 0916

 


Pílula Anticoncepcional é assunto pra homem também!

Como chamar os caras para essa conversa importante que influencia na sua escolha de contracepcão

Menstruação, ovulação, contracepção, tudo assunto de mulher, certo? Errado. É assunto para todos os seres humanos. Até porque todo mundo é fruto dessa historinha toda, né? Então vamos lá conversar com os homens da nossa vida sobre a pílula anticoncepcional (e os outros métodos hormonais). Porém por onde começar? Como conversar?

Por dados e fatos: eles são férteis 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ponto. Considerando que só se faz bebê com duas pessoas, a fertilidade é uma responsabilidade de ambas, correto?

Mas então por que somos nós, mulheres, as quem tem colocar hormônios inundando o nosso organismo todos os dias? Se lembrarmos o meu artigo anterior (leia ele aqui), quando eu falei que mulheres são férteis apenas 5 dias por ciclo, por que somos nós quem mais nos preocupamos com contracepção e usamos remédios que impactam muito a nossa saúde e bem-estar e causam riscos?


Pílula Anticoncepcional: usar ou não usar?

Como fazer uma escolha consciente sobre este dilema sem o medo de engravidar te atrapalhar

Nós mulheres estamos vivendo no meio de um verdadeiro dilema: usar ou não usar o anticoncepcional hormonal? A queridinha da emancipação e do empoderamento feminino, a pílula é também tem sido um dos maiores problemas causados à saúde física e mental da mulher nas últimas décadas.

A lista de efeitos colaterais cresce cada dia mais. Não estou nem falando apenas dos trágicos que vemos nos noticiários, como os casos em que a mulher sofre um AVC, câncer ou trombose. Mas também aumento do apetite, depressão e ansiedade, enxaqueca, insônia, infestação crônica de Cândida, problemas de libido, entre vários outros.


TESTE: O anticoncepcional está afetando a sua saúde e emoções?

Candidíase, dor no sexo, depressão e desânimo são possíveis efeitos colaterais

São duas normalmente as razões pelas quais as mulheres começam a usar anticoncepcionais hormonais – sejam orais (pílulas), transdérmicos (adesivos), subcutâneos (implantes), intravaginais (anel vaginal) ou intratrauterinos (dispositivos, como DIU):

  • evitar a gravidez indesejada
  • prevenir sintomas físicos, como ciclo irregular, acne, cólicas, ovários policísticos, miomas e endometriose, entre outros

No entanto, é comum que apenas os benefícios desses métodos sejam divulgados, enquanto acabamos sabendo muito pouco sobre os efeitos colaterais desses remédios.

O uso frequente de anticoncepcionais sintéticos, como esses citados acima, começam a gerar sintomas leves, que, com o tempo, podem chegar a condições mais graves e até risco de morte.

Entre os problemas físicos estão: ganho de peso ou dificuldade para emagrecer, inchaço, dores nos seios, estrias, varizes, vaginismo (dor no sexo), manchas na pele, mal-estar e até TPM. No entanto, as consequências podem ser ainda mais persistentes e até graves,como candidíase, hipertensão, distúrbios de coagulação sanguínea, trombose, AVC e ataque cardíaco, inclusive em pessoas jovens.

Infelizmente, não para por aí. Anticoncepcionais também ocasionam bloqueios emocionais e energéticos, como depressão, ansiedade, desânimo, falta de energia, perda de interesse sexual, problemas de relacionamentos e até dificuldades em atingir prosperidade e abundância na vida. Alguns desses problemas estão sinalizados nas bulas dos medicamentos, mas a grande maioria ainda é totalmente desconsiderada ou ignorada.

Neste teste, você vai conseguir perceber o verdadeiro impacto do uso do anticoncepcional hormonal na sua saúde física, no seu bem-estar e na sua vida como um todo. Vale reforçar que o teste não tem como objetivo realizar diagnósticos ou oferecer tratamento médico. Converse com seu profissional de saúde.

 

TESTE

Escolha apenas uma opção em cada pergunta, aquela que mais se aproxima de sua atitude diante de cada situação descrita. Anote suas respostas e depois confira o resultado.

1 – Sua vontade de fazer sexo está:

a) Nem me lembro que existe
b) Varia aos longos dos dias, mas anda diminuída
c) Varia, porém está sempre presente de alguma forma

2 – Na hora do sexo:

a) tenho dor na relação, dificuldades de ter prazer ou orgasmo (suspeito que seja frígida, ou que tenha vaginismo)
b) pode ser prazeroso, mas tenho certa dificuldade de me sentir lubrificada e de chegar ao clímax
c) sinto prazer e chego ao orgasmo na maioria das vezes

3 – Aquele corrimento que sai da sua vagina e gruda na calcinha:

a) É amarelado ou amarronzado, tem cheiro muito forte e coça muito
b) É esbranquiçado, aparece de vez em quando e coça às vezes
c) Varia entre não ter nada e, quando há, a consistência é de creme hidratante branquinho. Não coça

4 – A saúde da sua vagina:

a) Anda mal. Frequentemente tenho infestações de Cândida (candidíase de repetição), que nem tentando vários medicamentos resolve
b) Anda mais ou menos. De vez enquanto vem aquela coceira e ardência. Algumas vezes já tinha problemas ginecológicos e precisei tratar com creme tópico
c) Anda ok. Nunca tive nada ou já tive candidíase apenas uma vez, mas consegui tratar e não voltou mais

5 – O seu ciclo menstrual, antes de começar a usar o anticoncepcional era:

a) Problemático. Tinha amenorréia (ausência de menstruação), Síndrome dos Ovários Policísticos, Mioma, Endometriose, baixa reserva ovulatória, ou outras condições que comprometem o ciclo menstrual e a fertilidade
b) Não saberia dizer. Não tinha nenhuma condição específica diagnosticada. Menstruava normalmente, mas sempre tive muitos sintomas físicos do ciclo menstrual, como cólicas, dores de cabeça, acne e TPM. Talvez tivesse alguma dificuldade para engravidar
c) Acho que estava tudo em dia. Não tinha sintomas incômodos

6 – O seu ciclo menstrual, usando o anticoncepcional hormonal é:

a) Ainda tem um monte de sintomas chatos, iguais aos que já existiam antes de começar o uso e/ou apareceram outros sintomas e agora sofro muito com dores nas pernas, enxaquecas, problemas com excesso de peso, entre outros
b) Os sintomas que eu tinha antes de começar desapareceram ou quase não incomodam. Não tenho certeza quais outros sintomas que tenho atualmente estão relacionados ao uso do anticoncepcional. Mas noto que o sangramento é muito escuro ou cheio de coágulos, ou tenho escapes de sangramentos, mesmo fazendo uso contínuo do anticoncepcional
c) Minha vida ficou melhor depois que comecei a usar o anticoncepcional, porque tenho menos sintomas e não preciso me preocupar em engravidar sem querer. Não tenho pensado muito no impacto na minha fertilidade quando quiser parar de usar ou engravidar

7 – Meu humor anda:

a) Bem deprimido. É comum me sentir para baixo
b) Varia, mas noto uma tendência maior a estar mais desanimada
c) Varia, mas me sinto bem na maioria dos dias

8 – Meu nível de energia e disposição é:

a) Tão baixo que nem café ou chocolate melhoram
b) Médio, tenho precisado de algum incentivo para dar conta do dia
c) Anda bom na maioria dos dias

9 – Eu me sinto estressada quando:

a) Estou acordada, dormindo ou simplesmente existindo
b) Muitas coisas têm me deixado estressada e estão piorado com o passar do tempo
c) Alguma circunstância específica acontece, mas consigo lidar com isso e depois passa

10 – Percebo que estou ansiosa:

a) Na maior parte do tempo. Tenho dificuldades para dormir, inclusive
b) Em determinadas horas do dia e em certas situações. Vejo que isso tem ficado mais presente no meu dia a dia
c) Com pouca frequência. Costumo lidar bem com isso

11 – Meus relacionamentos:

a) Sofrem com minhas oscilações de humor, minha depressão, minha ansiedade, minha falta de energia, minha falta de libido. Tenho notado cada dia mais dificuldades de lidar com as pessoas da minha vida, especialmente meu par.
b) Têm sido impactados, mas venho tentando melhorar, inclusive fazendo algum tipo de terapia. Mas, às vezes, sinto que existe algo – que ainda não sei o que é – me atrapalhando
c) Têm tido alguns contratempos, mas nada fora do comum e do controle

12 – A prosperidade na minha vida se manifesta:

a) Quase nunca. Tenho tido muita dificuldade em ter dinheiro e em fazer as coisas acontecerem na minha vida. Isso me deixa muito desanimada
b) Sem muito controle. Pode vir muito dinheiro ou abundância do nada, como também vai embora da mesma forma que chegou
c) Tenho uma boa quantidade de recursos na maior parte do tempo e sinto que tenho abundância em minha vida

RESULTADOS

Veja abaixo o valor de cada opção. Depois, some as alternativas que escolheu e descubra de que maneira o anticoncepcional está afetando sua vida.

Todas as letras A – 2 pontos

Todas as letras B – 1 ponto

Todas as letras C – 0 ponto

 

DE 0 A 5 – IMPACTO BAIXO

 

O uso do anticoncepcional hormonal não tem impactado de forma significativa seu organismo e sua vida neste momento. Porém, você está começando a desenvolver alguns sintomas e sinais, que podem aumentar com o tempo de uso ou de acordo com predisposições genéticas não diagnosticadas. É possível, inclusive, que você venha a ter muitos sintomas incômodos, caso pare de usar o anticoncepcional sem acompanhamento adequado.

Por isso, comece a observar mudanças sutis na sua libido, na saúde da sua vagina, na sua TPM, no seu nível de energia, no seu humor e em outras áreas do seu corpo e da sua vida, para que possa cuidar imediatamente desses possíveis problemas e rever o uso do medicamento.

É possível usar os alimentos para cuidar do seu ciclo menstrual e do equilíbrio hormonal, como aveia; ovos orgânicos/de aves criadas soltas; folhas verde-escuras, como couve, espinafre, repolho (roxo), radicchio, entre outras. Assim, minimizará os sintomas da pílula ou da sua retirada.

DE 5 A 12 – IMPACTO MÉDIO

O uso do anticoncepcional hormonal tem impactado de forma significativa seu organismo e a sua vida neste momento. A combinação de sintomas e sinais mostram que seu corpo está começando a sucumbir aos hormônios artificiais, que estão interferindo de forma negativa:
  • no seu ciclo menstrual (pela supressão da ovulação)
  • na sua vida sexual (como vagina ressecada e dor no sexo)
  • nos seus órgãos reprodutores (como a candidíase de repetição)
  • no seu sistema endócrino (como níveis baixos de hormônios sexuais, tipo a testosterona)
  • nas suas emoções (como aumentar os níveis de estresse no organismo)
  • nos seus Chakras e equilíbrio energético (como interferir no fluxo energético no Chakra umbilical – ocasionando dificuldades sexuais, ausência de objetivos ou sentimento de impotência)

É importante que você reflita sobre a continuidade do uso do anticoncepcional e comece a estudar sobre outras opções disponíveis de contracepção e de tratamento dos sintomas que pode ter apresentado em algum momento da vida, como acne, cólica, ovário policísticos e outros.

Procure orientação especializada para lhe apoiar com estes sintomas do uso da pílula, pois eles podem piorar com o tempo de uso, bem como na sua retirada, caso escolha parar de usar. Por já ter sintomas manifestados, uma combinação de algumas ferramentas é um dos melhores caminhos para você passar a viver sem anticoncepcional, sem a sua saúde virar uma bagunça:

  • Alimentação saudável específica para este quadro, acrescentando alimentos como o açafrão-da-terra ou a cúrcuma, que apoiam a produção hormonal natural, e revendo o consumo de alimentos que interferem negativamente nessa produção, como a soja e os laticínios.
  • Orientações sobre como voltar a menstruar naturalmente e usar outros métodos contraceptivos, aprendendo métodos de percepção da fertilidade que nos ajudam a gerenciar a contracepção e nos mostram como o organismo está reagindo sem a pílula.
  • Suporte emocional para este tipo de transição.

DE 12 A 24 – IMPACTO ALTO

O uso do anticoncepcional hormonal tem impactado enormemente seu organismo e a sua vida neste momento. A combinação de sintomas e sinais mostram que seu corpo está sofrendo bastante com as dosagens de hormônios artificiais, que estão comprometendo o pleno funcionamento dos seus órgãos reprodutores e da produção de hormônios pelas glândulas, interferindo no seu organismo de forma sistêmica. O uso dos hormônios sintéticos não interferem apenas no funcionamento dos ovários, como também da tireoide, das suprarrenais, do pâncreas, do fígado, e por aí vai.

Sua libido e fertilidade podem estar comprometidas, e se faz necessária uma intervenção mais profunda para que o funcionamento possa normalizar. Bloqueios importantes estão acontecendo na sua vida emocional e nos seus Chakras, comprometendo seu equilíbrio energético como um todo. É possível que isso esteja lhe atrapalhando a acessar seu poder pessoal, manifestar abundância de dinheiro, e travando sua energia sexual e de vida.

É muito importante que comece agora mesmo a rever o uso do anticoncepcional e encontre orientação especializada para lhe apoiar em uma escolha consciente sobre descontinuar seu uso. Caso opte em parar de usar a pílula, tenha profissionais disponíveis para dar suporte na reversão dos sintomas de forma holística e integrativa. Uma abordagem que considere cuidados de corpo-mente-espírito é a mais recomendada nesses casos, devido à sua complexidade.

Os passos fundamentais nessa jornada são:

  • Começar a ter uma rotina alimentar de acordo com o ciclo menstrual e às necessidades hormonais, acrescentando alimentos como o açafrão-da-terra ou a cúrcuma, que apoiam a produção hormonal natural, e revendo o consumo de alimentos que interferem negativamente nessa produção, como a soja e os laticínios. Também é importante aprender quais alimentos usar mais em cada fase do seu ciclo menstrual.
  • Estudar e aplicar outros métodos contraceptivos não hormonais, aprendendo métodos de percepção da fertilidade que nos ajudam a gerenciar a contracepção e nos mostram como o organismo está reagindo sem a pílula.
  • Aprender a lidar com os aspectos emocionais da retirada do anticoncepcional, que exacerbam certos medos de rejeição e julgamento e mexem com nossa autoestima, por conta da possibilidade de engravidar sem querer, das espinhas e outros sintomas de aparência e de dor voltarem.
  • Resgatar o fluxo de energia feminina, energizando o segundo Chakra e acessando a natureza cíclica da mulher, que é adormecida pelos hormônios sintéticos.

Caso opte em não parar de usar anticoncepcional, fique muito atenta aos sintomas e sinais, que podem piorar ainda mais com o tempo de uso, mesmo trocando o tipo e a dosagem de hormônios artificiais.

Eu posso te ajudar com tudo isso.
Clique na figura e saiba mais.

post_teaser_02

 

Publicado em: Personare

Em terra de ghosting, quem aparece é rei

Como lidar com o desaparecimento repentino das pessoas e entender porque nós fazemos isso uns com os outros cada vez mais

Tenho uma amiga que tem, por costume, me perguntar sempre sobre como anda cada uma das pessoas, coisas ou situações sobre as quais falo com ela. Pode ser sobre um projeto que citei que me parece promissor, uma pessoa que me parece interessante romanticamente, um situação planejada para o futuro, e por aí vai. Se eu falei apenas uma vez sobre o assunto, ela, mesmo muitos dias depois, vai me perguntar como vai aquilo com uma empolgação na voz que me faz sentir a pessoa mais importante e com a vida mais interessante do mundo.

Ultimamente, várias vezes me vi desconfortável ao conversar com ela. Me vi pedindo para ela não me perguntar mais sobre a pessoa que eu estava interessada, me percebi incomodada com ela comentando sobre um pequeno desenrolar de um projeto meu, me encontrei com receio até de compartilhar certas coisas banais porque sei que ela vai me perguntar sobre aquilo depois. Eu quem conto basicamente tudo da minha vida pra ela.


Receba novidades sobre meus conteúdos, cursos e serviços