Na mídia

3 dicas para um detox pós carnaval (sem dieta maluca)

Share this:

Um kit integrativo de como se recuperar dos efeitos do feriadão e começar o ano de verdade se cuidando

Depois da purpurina, do confete, dos blocos e trios elétricos e desfiles, agora é oficial: o ano no Brasil pode finalmente começar. Aquelas promessas de ano novo não tem mais como se esconder atrás da desculpa de que “depois do Carnaval eu começo a sério aquela dieta ou atividade física (ou reeducação alimentar, ou tratamento, ou terapia, ou escreva aqui sua promessa de cuidar de si mesma)”.

Bom, eu vou te convidar primeiro para fazer o seguinte: antes de qualquer ação na direção de qualquer que tenha sido a promessa que você fez pra você mesma, vamos refletir algumas coisinhas importantes.

A primeira, o “efeito gangorra”, provocado pelo excesso de comidinhas e bebidinhas e a falta de sono. Isso faz com que nosso humor varie radicalmente diversas vezes durante o dia: acordamos de ressaca de tudo que comemos e bebemos na noite anterior, tentamos desesperadamente compensar o cansaço de dormir pouco com muito café e bebidas energéticas, para conseguir funcionar durante o dia.

E, quando você pensa que vai tirar um cochilo, alguma bagunça faz você entrar na folia tudo de novo. E, porque não teve tempo nem de comer direito, cai de boca nos salgadinhos e na cerveja, e fica relaxada e agitada ao mesmo tempo. Só para começar o ciclo de novo no dia seguinte.

 

Esse efeito de expansão e contração muito extremos para o corpo, mantidos por algum tempo, começam a causar consequências na forma como nossos órgãos internos funcionam e, ao final da maratona, não há ser humano que tenha energia para planejar e executar qualquer nova empreitada.

 

Tudo começa pelo excesso de bebidas alcoólicas, energéticos, refrigerantes, e até doces e sobremesas. Açúcar e álcool fazem os tecidos do corpo se expandirem, e assim temos uma imediata sensação de relaxamento. Mas, na verdade, essas substâncias provocam a liberação de grandes doses de adrenalina, o hormônio do estresse, e de insulina, o hormônio que processa a glicose no sangue.

Junte isso com o sono desregulado. Esse desequilíbrio, mantido durante esse período, faz ser quase impossível produzir serotonina suficiente, o hormônio que traz a sensação de calma e contentamento. E, assim, criamos um corpo estressado e um humor deprimido. No outro extremo, temos as comidas contrativas salgadas, como as frituras, as carnes e embutidos, queijos, salgadinhos. Ao comer em excesso esses produtos, ficamos mais tensas, facilmente irritáveis e agressivas. Já a gordura, presente em grandes quantidades em todas elas, dificulta nosso fígado a limpar as toxinas e processar os hormônios no organismo.

E assim, o círculo vicioso continua: comemos muita carne, ficamos irritáveis e criamos o desejo pelo falso efeito de relaxamento dos doces, liberando muita insulina e adrenalina, criando estresse. Continuamos a ingerir bebidas alcoólicas, criamos o desejo pelas comidas salgadas e gordurosas, que impedem a desintoxicação desse álcool por meio do fígado. No meio disso tudo, estamos exaltadas, deprimidas, aéreas, logo depois anestesiadas e agitadas, logo depois de mau humor, cansadas.

 

efeito sanfona

 

Agora pensa que isso tudo começou na verdade em dezembro! A época das festas de final de ano, que pode ter se juntado com as férias. Dá pra perceber que qualquer projeto de cuidar melhor da alimentação, do peso, do que quer que seja já começa em desvantagem? Não apenas a gente vai acumulando hábitos e crenças ao longo dos anos que fazem com que não nos sintamos bem conosco mesma, como ainda a forma que sabemos de aproveitar momentos de folga das obrigações e de diversão pode contribuir ainda mais para uma sensação de mal estar.

 

Algo que era para deixar a gente alegre, para descontrair (literalmente deixar nosso corpo num estado relaxado, não contraído), para nos ajudar a lidar com o dia a dia mais pesado, faz com que a gente volte pra rotina sem disposição, ânimo pra baixo, zero motivação.

 

Bora agora realmente começar o ano colocando você em vantagem na sua jornada de autocuidado neste ano? Aqui estão algumas dicas práticas para você começar:

1) Dá uma ajudinha pro seu fígado, coitado, ele nunca te pediu nada.

Quer dizer, ele até tá pedindo, mas tem vezes que a gente ignora ou nem percebe. Bora então ajudar o fígado a se restabelecer. Começando por oferecer alimentos que ajudam ele a se livrar dos excessos (de gordura, açúcar, álcool, e outras substâncias químicas, além dos hormônios como cortisol e estrogênio que costumam ficar doidinhos nessa situações).

O bom e velho suco verde é tão maravilhoso que desintoxica até emoções represadas dentro do nosso corpo. Toda aquela raiva, ressentimento e frustração que vamos acumulando, junto com as toxinas, vai embora do fígado com essa receita.

Bata no liquidificador com um pouco de água: salsinha, limão com casca (sem sementes e sem o miolo branco do meio), pepino (eu prefiro sem sementes), salsão/aipo (pode usar as folhas também), maçã verde (ou pera). Passe numa peneira grosa para tirar somente as fibras que incomodam mais na hora de beber. Pode fazer no juicer também (sem necessidade de acrescentar água. Uma semana em jejum logo pela manhã vai fazer maravilhas pela sua energia e disposição. Use por mais semanas, e você vai ver tudo começar a funcionar melhor: intestino, pele, humor, TPM…

 

 

2) Você pode substituir seu corpitcho desnutrido por um cheio de energia.

Um bom caldo de vegetais caseiro também faz maravilhas. Ele é um verdadeiro antídoto para os hábitos que fazem a gente perder vitaminas e minerais, como consumir cafeína, álcool, gorduras/açúcar/sal refinados, adoçantes/corantes/conservantes artificiais, etc etc.

Você pode preparar um monte, congelar, e poder ter caldo caseiro prontinho pra usar por muitas semanas pra abarrotar de nutrientes qualquer arrozinho, feijãozinho, sopinha, cozidinho ou qualquer preparação que precise de água pra cozinhar, bota o cubinho de caldo congelado e tudo fica absurdamente mais gostoso.

Eu gosto de colocar cenoura, cebola, alho poró, aipo/salsão, ervas aromáticas (salsa, tomilho, orégano, alecrim, manjericão) e algas marinhas como kombu ou wakame (tudo maravilhoso pros hormônios femininos), tudo com folha, casca, cortados em pedaços grandes só lavados pra não dar trabalho mesmo. Ferve numa panelona cheia de água por pelo menos umas 3 horas (eu faço por 8h), coa e congela as porções.

E antes que você pense que eu vou falar para você parar de comer ou beber qualquer coisa, já vou logo esclarecendo: melhor que restringir e se proibir de comer certas coisas, invista em acrescentar. Colocando pelo menos esses dois novos hábitos na sua alimentação você já ajuda demais a limpar o organismo e se livrar de toxinas e dos quilinhos a mais. Comer mais saudável não significa comer pouco e sem graça e ter a maior trabalheira.

O legal de comer um pouco diferente do que estamos acostumadas é começar a enxergar possibilidades e oportunidades onde não víamos antes. A ideia da comida de verdade ou de uma alimentação mais livre de toxinas não é restringir, e sim ampliar nosso repertório alimentar e incentivar nos aventurarmos em novos territórios. Ou seja, nossa vida ganha mais cor, sabor, textura, nutrientes.

Fazer um momento detox não precisa ser uma tortura de proibições e de passar fome. E sim um momento de abrir espaço no corpo e na mente, ampliar horizontes no cuidado da saúde e das emoções, e de muita compaixão e amor próprio.

Se for essas receitas forem feitas com ingredientes orgânicos, produzidos sem agrotóxicos e sem fertilizantes artificiais, mais poderosas ainda!

Aqui neste vídeo você pode essas e outras dicas.

 

3) Nem de esquerda nem de direita, aposte nas políticas de centro. De você mesma.

Nos sentimos fora de forma, feias, insatisfeitas, tristes, com raiva, e lá vamos nós fazer coisas que vai nos acrescentar ainda mais uma obrigação: dieta restritiva e exercício físico pesado tediosos e sacrificantes. Parece um bom plano para fazer alguma mudança que vá ficar pra valer na sua vida, e que vá te trazer resultados positivos? Acho que não, né?

Muitas dessas ações de autocuidado se baseiam nas coisas que TEMOS que mudar porque alguém nos disse que a forma que somos e agimos não está certo ou não é normal. Isso pode ter origem desde a criação que tivemos em nossa família, até a mídia e a sociedade de consumo que vivemos.

 

Então, antes de começar qualquer movimento de mudança, se pergunte:

• qual a motivação por trás deste objetivo ou meta?
• eu TENHO que fazer isso, ou eu QUERO fazer isso?
• eu realmente enxergo o benefício que esta mudança vai trazer para mim e para minha vida?

 

Outro ponto é entender a diferença entre mudança e transformação. Quando pensamos em mudança, pensamos em algo que está errado e que queremos consertar. Ou seja, uma mudança implica em você admitir para você mesmo que você estava fazendo tudo errado até então, que é uma pessoa incompetente, preguiçosa, sem disciplina, etc. Que motivação vai sobreviver a tanto estímulo negativo???

Transformar, por outro lado, implica em desapego. Primeiro você toma consciência de que aquele hábito, aquela coisa, aquele relacionamento, emprego, comportamento não mais se encaixa com a vida que você quer levar. Expresse sua gratidão por isso ter lhe servido até aqui, mas que você não precisa mais disso para viver daqui pra frente. Assim você cria espaço para algo novo acontecer.

Essa detox de deixar ir embora formatos caducos de cuidar de si mesma é a parte mais importante da história toda. É bem mais difícil cuidar de si enquanto ainda nos prendemos àquelas “verdades” antigas de que fechar a boca e malhar que nem doida é a ÚNICA FORMA de você emagrecer e se sentir mais satisfeita com seu corpo. E essa é apenas uma dessas “verdades” que nos impedem de encontrar a nossa forma de nos amarmos por inteiro, de verdade.

Falo sempre: nutrição vai muuuuuuuuuuuito além da comida. Quantas emoções e pensamentos temos para desintoxicar, não é mesmo? Já parou pra pensar que está justamente aí o porquê que até hoje você não conseguiu fazer as pazes com a comida, com o seu corpo, com o seu jeito de ser, de sentir, e viver neste mundo?

Daí a gente fica que nem num daqueles brinquedos de parque de diversões que é um pêndulo: indo de um extremo ao outro, gritando que nem uma maluca, rezando pela hora que a vida vai te tirar dali. A voz de um lado falando que você tá toda errada, nunca faz nada direito, é indisciplinada, não tem força de vontade, é uma fraca. A voz do outro lado dizendo pra enfiar o pé na jaca, que a vida foi feita para viver intensamente senão não vale a pena, vou morrer mesmo pra quê se preocupar tanto em se cuidar, se entrega pro prazer de agora e não pensa muito.

 

Enquanto que no meio, a vozinha da sua alma está ali, falando mansinha: essas vozes aí, percebe que ela são as vozes das outras pessoas te julgando, do que os outros acham que você tem e deve fazer, que elas não consideram o que verdadeiramente te importa e faz sentido pra você?

Mas só dá para ouvir essa vozinha quando a gente para um pouco, respira um pouco, olha com um pouquinho de gentileza pra dentro de si mesma, né? Essa é a detox que eu sugiro para você: a de limpar sua mente de olhar somente para fora, como se a fórmula da felicidade estivesse ali com as outras pessoas e com as suas pílulas mágicas, e voltar-se para dentro um pouquinho todo dia, usando a forma que você quiser, para você ouvir sua voz da intuição.

Ela não vai te prometer felicidade, nem soluções mágicas, nem atender seus desejos. Mas ela vai te indicar o seu próximo passo para você cultivar o seu amor próprio. Cultivar esse hábito acessar essa sua sabedoria interior vai te fazer economizar muito tempo, dinheiro, esforço, sofrimento, acredite em mim.

E pra mulher, a intuição é a chave que abre esse universo da conexão profunda consigo mesma. São essas pequenas percepções que vão cultivando a capacidade do nosso sistema nervoso de fazer conexões muito mais profundas e eficazes e fora do padrão que nos fazem enxergar e saber e agir na direção dos hábitos, oportunidades, soluções que não conseguimos acessar usando a parte julgadora e governada por nossas crenças limitantes.

Intuição é isso, usar todas as capacidades do nosso sistema nervoso (que vai muito além do cérebro) em sinergia a nosso favor. E tudo começa com escolhendo voltar-se para dentro de si mesma, um pouquinho, todo dia. Que aos poucos vamos desintoxicando as inseguranças, as dúvidas, a ansiedade, o desânimo, e aquela autoimagem que podemos ter de alguém sem valor.

E eu posso te ajudar em tudo isso se quiser. Com sua alimentação e com as suas emoções. Você pode ter meu suporte com todas essas estratégias e muitas outras. Só acessar aqui.

Publicado em: Superela

Outro Post

Aqui temos 2 comentários. Adicionar.

  1. Gostei tanto do blog que resolvi adicionar na minha lista de feeds, no Feedly. Mas fiquei triste ao ver que vocês não oferecem o feed completo, sendo assim não tenho como acompanhar o blog, só as redes sociais. :(

    • Melissa Setubal

      Vanessa, é só inscrever seu email para receber os conteúdo que aí você garante acompanhar tudinho e muito mais 😉
      Está na página inicial do website 😉

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Receba conteúdos exclusivos