Ciclo Menstrual

Como os plásticos bagunçam a sua vida

Share this:

9 formas de evitar que o plástico atrapalhe seu peso, sua fertilidade e seu humor

Eu sei, os plásticos facilitam um tanto a nossa vida, né? Aquelas vasilhinhas e saquinhos/filme plástico que guardam as sobras de comida, as embalagens de tudo que consumimos, as garrafas de água e bebidas, copos/pratos/talheres que usamos no dia a dia… Tem coisas que contém plástico e nem imaginamos, como nossas roupas. Com esse material quase onipresente em nossas vidas, você deve estar assustada com o título desse texto, imagino.

Você sabe que costumo falar mais sobre o que incluir mais na sua vida, e até queria escrever um texto sobre incluir mais vidro na sua vida. Porém, vi que não seria o suficiente. É preciso aumentar a consciência de todos do impacto profundo que o plástico tem em nossa saúde e no meio ambiente de forma geral.

Os plásticos são considerados Desreguladores ou Disruptores Endócrinos, e manipulam nossos hormônios mimetizando a ação dos nossos hormônios naturais em nosso organismo, portanto, ficando no meio do caminho de nossos processos naturais. Eles acabam criando uma resposta muito mais forte ou muito mais fraca no sistema endócrino, ou até mesmo uma resposta completamente diferente do planejado pelo nosso corpo.

Também são conhecidas como xenoestrógenos, ou seja, justamente mimetizam os nossos hormônios sexuais mais importantes (estrogênio, progesterona, testosterona, cortisol). Mesmo as menores quantidades já são suficientes para provocar alterações hormonais.

E por serem normalmente substâncias estáveis, não conseguimos processá-los e eliminá-los com facilidade, o que faz com que os acumulemos ao longo do tempo. Além disso, como eles ficam armazenados nas células de gordura, vários tipo diferentes dessas substâncias juntas podem provocar uma efeito ainda mais forte.

Por isso, é muito importante que você conheça bem o que pode estar atrapalhando o seu ciclo menstrual, seu peso, seu humor, seu nível de energia, sua vida, e qualquer tratamento de corpo e mente que esteja fazendo. São vários outros produtos que contém substâncias dessa categoria, como os produtos de limpeza, higiene, beleza, agrotóxicos, alguns produtos alimentícios (soja, comidas ultraprocessadas, açúcar, laticínios, cafeína), entre outros.

Os plásticos, por essa presença maciça em nossas vidas, ocupam um papel muito grande nessa bagunça que nosso modo de vida pós-moderno cria em nossos hormônios e nosso organismo.

São várias as substâncias contidas nesse material, como os perfluorinados, ftalatos, BPA e derivados, PET, HDPE, PVC, LDPE, PP, PS, policarbonatos). Mesmo os que dizem ser BPA-free contém outras substâncias tóxicas.

Tá, e agora, faz o quê? Joga toda aquela coleção de tapouer fora ou continua usando e perdendo noites de sono porque está se envenenando aos poucos? Ou perde as esperanças porque mesmo que você livre a sua casa de todo o plásticos existente, no mundo lá fora não há como evitar.

Não vamos ser fatalistas. Mas temos que manter em mente que é possível diminuir consideravelmente nossa exposição e ver impactos positivos na nossa saúde e bem estar. Comece com um passo de cada vez, e lembre-se de que mudando nosso consumo começamos a causar impactos positivos imediatos em nossa saúde, na vida das pessoas à nossa volta, e mais que tudo neste caso, diretamente no planeta.

woman-drinking-tall-glass-of-water

Como restringir sua exposição aos malefícios dos plásticos

  1. Quanto mais maleável, mais tóxico para o organismo. Via de regra, a contaminação é maior com vasilhames e utensílios que levamos à boca e/ou armazenam alimentos que são feitos com plásticos mais molinhos e flexíveis. Se dobra ou se molda (como os filmes de PVC, saquinhos e ziplocks, e outros materiais), mais contaminante. Porém, todos são, de uma forma ou de outra, quando expomos à nossa pele e mucosas. Comece se livrando dos que tem essa características, dos riscados, velhos, manchados, quebrados.
  2. Esquentar ou resfriar e congelar solta partículas na comida.  Os choques térmicos fazem o material interagir com o alimento, e você acaba comendo plástico junto com seu jantar. Por isso, evite usar derivados plásticos para cozinhar e guardar alimentos ou produtos que passamos em nossa pele e cabelos.
  3. Armazene seus alimentos na geladeira e freezer em embalagens de vidro. Invista em vasilhames próprios vendidos para esse fim em lojas de produtos para a casa e, ao colocar o alimento, evite encher demais para evitar encostar na tapa de plástico. Ou reutilize vidros de alimentos que consumir para esse fim. Lembrando que para congelar em vidro é preciso deixar pelo menos um a dois dedos de espaço, já que o congelamento aumenta o volume do alimento em seu interior.
  4. Consuma mais alimentos in natura sem embalagens. Ir a feira ou mercado com suas sacolas próprias de tecido lavável e não embalar os alimentos em saquinhos na hora da compra é a forma mais simples de fazer isso. Compre ovos outros alimentos em embalagens de papel/papelão. Consuma sucos e outras bebidas em garrafas de vidro.
  5.  Evite consumir alimentos processados embalados em plástico, caixa tetrapak, e enlatados, que se utilizam de revestimento derivado de plástico para maior conservação.
  6. Utilize panelas, vasilhas, tigelas e utensílios de aço inoxidável ou vidro ou madeiras para cozinhar e comer. Eles são materiais não-reagentes, ao contrário do plásticos e revestimentos anti-aderentes.
  7. Invista em garrafas de água de vidro. Tanto para habitar sua geladeira quanto para carregar com você, e na hora de pedir no restaurante. Existem algumas marcas no mercado que inclusive oferecem uma garrafa com tampa rosqueada que você pode reaproveitar para levar consigo na bolsa ou carro.
  8. Troque seu absorvente menstrual. A grande maioria das marcas usam plásticos que detonam nossos hormônios. Use marcas orgânicas específicas de absorventes descartáveis, ou use oo lavável, ou ainda o coletor menstrual.
  9. Fique de olho na etiqueta das suas roupas de corpo, cama e banho. Náilon, acrílico, spandex, poliéster, e até PET são derivados do petróleo altamente contaminantes. Isso inclui também cortinas, tapetes e carpetes, e outros tecidos da casa. Móveis e utensílios de uso diário que são manipulados também entram nessa lista.
Imagem: dailymail.co.uk/getstyledaily.com

Outro Post

Aqui temos 3 comentários. Adicionar.

  1. Rejane

    Uma dúvida,pois o coletor menstrual não é de plástico/silicone e teria esses efeitos maléficos por horas em contato com o corpo?

    • Melissa Setubal

      Rejane,
      o coletor não descartável é feito de um tipo de silicone que não reage com a mucosa vaginal (pelo menos até o momento, as diversas pesquisas tem mostrado como segura), e por isso, não tem efeitos nocivos.
      Agora, plásticos tem sim, que é um material completamente diferente do silicone 😉
      Saúde e Amor!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba novidades sobre meus conteúdos, cursos e serviços