Fertilidade: o poder de gerar a própria vida

Share this:

Ser fértil vai além do físico e sinaliza capacidade de realizar sonhos

Fertilidade sempre foi uma palavra um tanto assustadora para mim. Talvez porque minha mãe casou grávida, na década de 70, quando isso ainda era um grande tabu. Eu cultivei durante boa parte da minha vida um medo profundo da minha própria fertilidade, pois a mensagem que eu sempre ouvia era de que a capacidade do meu corpo de gerar uma vida poderia arruinar a minha.

GravidezAssim como eu, muitas mulheres passam décadas suprimindo esta importante parte de si mesmas, seja com o uso de hormônios sintéticos, seja com uma alimentação e um estilo de vida desbalanceados, seja com crenças limitantes sobre o corpo e a vida da mulher.

Quantas de nós já pensamos que é muito melhor ser homem, porque eles não menstruam ou não ficam grávidos? Quantas de nós sofremos com os sintomas da menstruação? Quantas de nós usamos anticoncepcionais hormonais para controlar a fertilidade ou até suprimir a menstruação?

E, por outro lado, quantas de nós querem ter filhos, mas foram ensinadas a primeiro pensar na carreira e em ganhar dinheiro? Quantas de nós têm sofrido em inúmeras tentativas para engravidar e não conseguem conceber a vida sem viver a experiência de ser mãe? Ou seja, quando não queremos filhos, nossa fertilidade é vista como inútil ou algo que nos atrapalha nas atividades que queremos focar nossa atenção. Ou quando queremos ter filhos e eles não vêm, a fertilidade é encarada como algo que está “quebrado” e precisa de muitas intervenções e “consertos”.

FERTILIDADE VAI MUITO ALÉM DO ASPECTO FÍSICO

Mas pense bem: só é possível criar a partir do nada, do vazio, do espaço. Dessa forma, o útero é o órgão mais otimista do corpo feminino, justamente porque ele é um espaço vazio que se prepara uma vez por mês para uma nova possibilidade, independente de qual foi o resultado da última vez. Ele garante a cada ciclo que uma possível vida encontre o espaço mais confortável e nutridor que ela possa ter para prosperar, sem nunca ficar frustrado porque nada aconteceu na última tentativa.

Independente de nossas escolhas sobre querer ou não ter filhos, querer ou não uma carreira de sucesso, querer ou não muito dinheiro, a questão é que nos nossos ovários reside o centro da nossa energia criadora, do nosso poder pessoal, da nossa capacidade de fazer a diferença neste mundo, da nossa habilidade de sonhar. DSC06793

Se temos energia estagnada neste nosso centro energético – ou seja, se você se identificou com alguma das perguntas do início do texto – podemos manifestar sintomas físicos como TPM, ovários policísticos, miomas, endometrioses, infertilidade e outras inúmeras condições de saúde típica dos órgãos reprodutores femininos. Também podemos apresentar sintomas não físicos, como dificuldades em lidar com dinheiro, se estabelecer em uma carreira e ter relacionamentos amorosos saudáveis, além de falta de autoconfiança e de criatividade.

Se, por outro lado, a energia flui livremente, somos capazes de manifestar espontaneamente nossa fertilidade não apenas enquanto capacidade de gerar filhos, como também de gerar abundância, criatividade, conexão, compaixão na sua própria vida.

Portanto, cuidar de nossa fertilidade vai muito além de garantir a perpetuação da espécie e de realizar o sonho de ser mãe. Ser fértil é se permitir acessar o espaço da nossa alma onde o universo pode manifestar toda sua capacidade de criar possibilidades infinitas em nossas vidas.

Publicado em: Personare, Personare em Portugal, MSN, MdeMulher, Clube da Vida Moderna, Portal RBS

Outro Post

Receba novidades sobre meus conteúdos, cursos e serviços