Intolerância à lactose: e agora?

Share this:

Pizzas, bolos e tortas. Pratos deliciosos que levam em suas receitas o leite como componente. Mas, este ingrediente, aparentemente inócuo, é o vilão na vida de 8% de crianças menores de três anos e 2% dos adultos brasileiros, que sofrem da chamada intolerância à lactose.

A doença ocorre quando o organismo não é capaz de produzir a enzima lactase, responsável pela digestão da lactose presente no leite de vaca. A lactose é um tipo de açúcar (dissacarídeo), presente nos leites e derivados, que, para ser utilizada pelo organismo humano, precisa ser “quebrada” pela lactase em glicose e galactose.

Quando a intolerância se faz presente, ocorre a diminuição da produção de lactase pelo organismo, dificultando a digestão da lactose. Intolerância ou alergia?

De acordo com a nutricionista Gabriela Mendes, muitas pessoas desconhecem que existem diferenças entre alergia a proteína do leite de vaca e intolerância à lactose. E é fundamental diferencia-las:

– No primeiro caso, a alergia às proteínas envolve princípios completamente distintos da intolerância à lactose. No caso da alergia, é muito difícil mudar os sítios ativos das proteínas, tornando-os inativos. A melhor forma é eliminar da alimentação as proteínas que contêm os sítios alergênicos ativos, no caso do leite de vaca, muitos dos indivíduos podem reagir com uma alergia cruzada, onde os sítios alergênicos se ativam em proteínas de outros alimentos, não somente ao leite, explica.

Já no caso da intolerância à lactose, de acordo com a nutricionista, ocorre uma inabilidade para digerir quantidades significativas de açúcar do leite. “Nesse quadro de intolerância, o indivíduo necessita retirar da sua alimentação a lactose”, adverte.

Mudança no cardápio
Dentre os sintomas da intolerância do organismo à lactose estão náuseas, desconforto e aumento do volume abdominal. Mas, antes de fazer qualquer alteração no cardápio, é preciso diagnosticar a patologia, com auxílio de um profissional especializado:

– Caso seja comprovado, é preciso um acompanhamento nutricional, para que ocorra a substituição por alimentos que contenham vitamina D em sua composição, fontes de cálcio, nas quantidades adequadas, para que o indivíduo não tenha comprometimentos nutricionais, ressalta.

Diante da impossibilidade de consumo do leite orgânico e da confirmação do diagnóstico da doença, é hora de mudar o cardápio. Melissa Setúbal, Coach de Saúde Integrativa e especialista em Saúde da Mulher conta que, quando adulta, percebeu que uma série de doenças que sofria desde bebê estavam relacionadas ao consumo regular de leite.

– Muitas pessoas se preocupam com a falta de cálcio na alimentação com essa retirada. Algumas formas de garantir que o consumo desse nutriente seja adequado é acrescentar o máximo de folhas verde-escuras possível na alimentação, como salsinha, couve, folhas de brócolis, etc. Outra fonte excelente são as castanhas e sementes, como amêndoas, gergelim, semente de girassol, nozes e castanha-do-pará, enumera.

Para levar uma vida saudável, ela aconselha a substituição de ingredientes comuns em receitas que levam leite, queijo, iogurte e manteiga e dá exemplos:

– O óleo de coco substitui a manteiga em refogados e bolos, o leite de castanha, amêndoas e sementes substituem o leite e iogurte em vitaminas e smoothies, bem como no preparo de bolos e panquecas, conclui.

Confira a receita que a especialista em saúde da mulher indica para um jantar, lanche rápido no meio do dia e até mesmo na café da manhã:

Sopa de Missô
Porção para 1 pessoa

1 cebola pequena
1 cenoura média
2 talos de aipo
algumas tirinhas de kombu, wakame ou nori (algas marinhas)
cebolinhas verdes com o talo branco
salsinha
1 colher de sopa de missô claro
10 cubinhos pequenos de tofu
250ml de água

Etapas:
Pique bem a cebola, a cenoura e o aipo. Coloque na panela com água e com as algas e cozinhe até que fiquem macios. Desligue o fogo e pegue uma concha dessa sopa e dissolva em separado a colher de missô. Quando estiver bem dissolvido, acrescente-o na sopa, juntamente com o tofu, a cebolinha e a salsinha picada.

Sirva em uma tigela e bom apetite!

Fonte: Clínica Literária

Outro Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba novidades sobre meus conteúdos, cursos e serviços