Blog

O que NÃO fazer para perder peso

Share this:

Muitas das recomendações mais conhecidas das dietas para emagrecer podem engordar

Existem algumas regras básicas quando pensamos em perder peso que parecem ser verdades universais, mas na realidade, a ciência e a experiência já tem nos mostrado serem estratégias fadadas ao fracasso.

Algumas até podem nos dar a ilusão de funcionarem, pois perdemos peso rapidamente. Porém, é apenas uma questão de tempo para esse efeito ir por água abaixo. Justamente porque tenho acompanhado inúmeros casos de mulheres frustradas com o próprio corpo e com sua disciplina em seguir dietas, que percebi que quem está errada nessa história não é a pessoa, e sim a dieta.

Vamos aqui falar apenas algumas das estratégias falidas mais comuns que observo as pessoas fazerem para tentar perder peso:

  1. Usar adoçantes artificiais
    A ilusão de algo zero caloria nos enche de expectativa sobre o fato de poder comer algo que não vai impactar no volume de nossas gordurinhas, mas seu verdadeiro efeito passa longe disso. Algo sem calorias não significa que não cause efeito no peso, bem como algo que tenha mais calorias não vai imediatamente nos deixar mais gordas.
    O uso frequente de adoçantes artificiais causam um efeito inflamatório no nosso organismo, o que necessariamente leva ao ganho de peso ou a doenças crônicas, como diabetes, justamente porque eles são artificiais ou ultraprocessados, como aspartame, sucralose e até a stevia em gotas.
    O ideal é rever o consumo desse tipo de substância, e mudar nossa mentalidade de que adoçantes naturais engordam. O melado de cana, por exemplo, pode ter muitas calorias, porém é riquíssimo em minerais importantíssimos justamente para o equilíbrio hormonal e do peso.
  2. Cortar a gordura ou os carboidratos ou as calorias da alimentação
    Claro que cada organismo funciona melhor com quantidades e proporções diferenciadas de cada macronutriente, mas restrigir o consumo de algum deles pode causar perda de peso temporária, mas aciona os mecanismos de sobrevivência do organismo, o que faz ele ficar mais eficiente em guardar gordura.
    Ou seja, faça dieta uma vez, e você vira escrava da dieta. Daí qualquer “escorregada” leva seu peso ladeira abaixo, e você tem que ficar cada vez mais rigorosa, o que vira uma situação insustentável! Comer todos os nutientes de forma equilibrada, focar na qualidade e nos alimentos frescos, ao invés de contar calorias é uma estratégia muito mais eficientes e gerenciável no longo prazo.

    diet-food-on-a-plate-hd-wallpaper

    Não adianta se privar de gorduras, carboidratos, calorias, e de prazer. Seu corpo e sua mente vão fazer de tudo para você dar a ele o que foi programado para receber.

  3. Colocar como meta voltar ao peso de antes
    Pode até ser possível voltar a vestir a calça jeans da juventude, mas isso vai exigir uma disciplina militar e uma mudança drástica no estilo vida, coisa que a maioria de nós não está disposta a fazer. Além do fato de que o estresse engorda, e quem mora na cidade e vive a vida contemporânea já vem com estresse “de fábrica”.
    Adicione aí as mudanças naturais que nosso metabolismo passa a cada ano, e mais ainda, a cada década. É preciso ajudar seu corpo a encontrar o peso que ele se sente equilibrado, o que nem sempre combina com nossa expectativa, muitas vezes criada em cima do que os outros ou a mídia ou a medicina convencional dizem que deveríamos pesar. Ser realista e trabalhar a aceitação do seu corpo de agora é passo fundamental para aqueles quilos a mais irem embora sem tanto sofrimento e privação.
  4. Fazer dieta durante a semana e “descontar” no final de semana
    Ficamos nos privando a semana inteira, sendo as meninas boazinhas e certinhas que comem o que deveriam, e nos sentimos frustradas. Aí chega o final de semana, e queremos nos “premiar” ou “roubar”, e caimos de boca nos alimentos supercalóricos, e nos sentimos culpadas.
    E passamos anos nessa dinâmica maluca que causa um estrago enorme na nossa mente e no nosso corpo. O melhor é quebrar esse padrão nocivot e criar uma forma de se alimentar que vai além de apenas se permitir comer alimentos com mais calorias ou que não sejam considerados saudáveis. Comece a criar uma dinâmica de alimentação que inclua todos os tipos de comida e seja flexível o suficiente a cada dia ou semana, e que você não se sinta privada ou permissiva demais.
  5. Ficar se chamando de gorda como estímulo para emagrecer
    Independente do IMC, da circunferência abdominal, da sua imagem no espelho, a definição de quem é gorda é altamente variável. Antes de mais nada, gorda é apenas um adjetivo que descreve alguém que possui gordura, e TODO MUNDO tem gordura, é um tecido que faz parte do nosso organismo.
    Segundo que TODO MUNDO tem dobrinhas, e infelizmente fomos treinadas a pensar que ter dobrinhas é ter defeitos, o que é uma grande mentira. Pare de se torturar e de permitir que os outros façam isso com você. Acredito que você já tenha percebido que isso não te ajuda em nada, por isso, mude os adjetivos que usa para si mesma para outros que ajudem a sua auto-aceitação, e/ou resignifique a palavra “gorda” em sua mente. Isso pode ter um impacto muito mais positivo no seu peso do que você imagina.

Imagens:  rantchic.com/ratingdietplans.com

Outro Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba novidades sobre meus conteúdos, cursos e serviços