Quem quer mais um pouco de autoconfiança?

Share this:

Como ter autoconfiança sem depender de ninguém (e nem de si mesma) para isso.

A gente vive em um mundo que nos exige um posicionamento firme sobre tudo. Temos que ter uma atitude profissional no trabalho e passar credibilidade. Temos que saber nos portar frente às pessoas da nossa vida, saber dizer não quando necessário para não ficarmos sobrecarregadas, mas sem chatear os outros e deixá-los na mão. Temos que saber exatamente para onde vamos na vida, pois sonhos não são realizados sem foco e certeza do que se quer.

E se falta autoconfiança, como é que a gente consegue dar conta disso tudo? Lembro-me muito bem de quando eu tinha 14 anos e fiz um curso de autoconhecimento pela primeira vez. Uma das coisas que mais me marcou é que me dei conta que a minha insegurança era meu principal obstáculo na vida. Eu não sabia quem eu era, o que queria da vida, e me sentia bem perdida e com medo do meu futuro, de não ser capaz de ser feliz e construir uma vida minimamente boa.

Ok, eu só tinha 14 anos e talvez nem tivesse que ter essas respostas na ponta da língua nessa altura da vida, só que continuar a perpetuar esse padrão da insegurança me pareceu um futuro muito mais sombrio do que ter a coragem de me encarar e começar a desconstruir esses medos.

Medo de ser julgada, de fracassar, de ficar sozinha, e por aí vai.

Primeiro achei que, para ter autoconfiança, eu precisaria combater a qualquer custo essa insegurança. Muito bem, isso é bem válido, e fiz muitas terapias e muitos cursos e li muitos livros que me ajudaram nisso. Só que ficava faltando uma peça. Parecia que eu sempre precisaria de mais “aquela coisa” que me salvaria de mim mesma e nunca mais eu sofreria com minhas inseguranças e medos. Parecia que a resposta sempre estava lá fora.

Por mais que todos os “gurus” me dissessem que a resposta estava dentro de mim (e nos filmes!), isso não fazia sentido, porque o “dentro de mim” era uma criança assustada e sem confiança em si mesma, mesmo depois de adulta. Então de onde autoconfiança vem, afinal de contas?

WOMEN-jumping

Estou percebendo que autoconfiança vem quando me conecto com algo maior que eu mesma.

Quando eu tiro minha cara do umbigo, saio do meu mimimi, eu me dou conta que posso ter impacto esse mundo e de alguma forma torna a existência dos outros seres um pouco (ou muito) melhor. E isso pode acontecer com as coisa mais simples e pequenas (e com as complexas e grandes também).

Autoconfiança vem quando enxergo que minha mera existência faz diferença, e que qualquer coisa que eu decida fazer faz diferença. Não importa necessariamente o resultado, o que importa é a decisão, a intenção, o propósito. Até porque a gente não controla as consequência dos nossos atos na vida das outras pessoas. Tem texto que eu escrevo que eu sinceramente acho que foi lançado no vácuo do espaço sem ninguém tomar ciência. Mas eu sei que mesmo eu sendo uma poeirinha cósmica, sou um elemento imprescindível no Universo, senão ele não teria desprendido tanto esforço para eu estar aqui neste mundo.

Quando eu enxergo o meu valor dentro do mundinho onde atuo, autoconfiança é automática.

E enxergo meu valor quando sei que o porque estou ali, que posso servir quem está ao meu redor de alguma forma, nem que seja com meu sorriso, com meu ouvido, com meu abraço, com minha atenção.

Não é que eu perdi de vez minha inseguranças, pois o ego treinou muitos anos esse esporte de me desmerecer. E não é que me acho agora a última bolacha do pacote e nada me atinge. Mas quando sinto medo ou insegurança, não fico mais totalmente paralizada, duvidando das minhas capacidades e talentos indefinidamente. Aprendi a acessar minha autoconfiança ampliando meus horizontes do “para que e a quem estou servindo quando estou fazendo isso”. E aí não tenho que provar nada para ninguém, não tenho que ser perfeita, não preciso acertar de primeira.

Agora é sua vez:

Reflexão da semana: Em que momentos sua insegurança aparece?

Ação da semana: De que formas você pode nutrir sua autoconfiança, usando essa perspectiva de perceber a diferença que você faz ao seu redor com a sua presença? Escreva agora algumas delas e escolha uma para começar a praticar ainda essa semana. Compartilhe comigo o desenrolar dessa sua ação.

Inspiração da semana: Essa palestra da Jacqueline Novogratz fala de gente que foi lá e fez acontecer, e isso fez diferença na vida de muita gente. Imagine que essas pessoas também tinham suas inseguranças (muitas vezes até correndo risco de vida). Mas elas ouviram um chamado sutil dentro de si, e isso era maior que qualquer medo que elas poderiam ter, então elas agiram, e é isso que nos faz ter a percepção de que elas são cheias de confiança em si mesmas.

Imagens: rosalynclare-coaching.co.uk / mashondaloyal.com

Outro Post

Receba novidades sobre meus conteúdos, cursos e serviços