Receita da Vovó, com meu toque

Share this:

Amanhã é o último dia da Semana Delicioso Ano Novo, mas só agora estou começando a me acostumar com a minha dieta sem glutén. Devo dizer que é bem difícil para mim ficar longe do pão, do macarrão e do bolo, apesar de ter disponíveis várias opções para substituí-los, como o pão de arroz integral, o macarrão de quinoa e o brownie de farinha de grão-de-bico. Só que foi por causa disso que comecei a pesquisar mais sobre esse universo paralelo ao trigo.
Uma das coisas que resgatei das origens da minha família foi a boa e velha polenta. Minha Vó Júlia é uma mestre nessa arte, e fui criada com ela batendo a polenta no fogão em quase todo almoço na casa dela. Mas, infelizmente, eu nunca fui fã de polenta.
Quando começou a esfriar aqui em Nova Iorque, foi automático procurar por comidas mais quentinhas e borbulhantes. Um belo dia, num restaurante italiano aqui na vizinhança, vi no cardápio essa opção e não sei se foi a saudade de casa, da comida da vó ou a promessa de uma comida quentinha que me fez escolher essa opção. Só sei que sou grata por ter experimentado, pois eu adorei e me inspirei para fazer essa receita.

Tempo de preparo: cerca de 1 hora
Serve 2 pessoas

1 xícara de fubá
caldo de galinha ou de vegetais
1 colher de sopa de manteiga
molho de tomate
orégano
200g gramas de carne em cubos pequenos
3 folhas médias de couve sem os talos
1 dente de alho
Azeite de oliva
sal e pimenta-do-reino

Coloque de 3 a 4 xícaras de água para ferver em uma panela funda. Acrescente o sal, o caldo e o fubá quando a água atingir fervura e mexa sempre, cozinhando a polenta por cerca de 30 minutos em fogo baixo.
Enquanto isso, refogue a carne em um pouco de óleo e acrescente o molho de tomate a gosto para fazer um molho bem suculento (acrescente água, se necessário). Cozinhe a carne por cerca de 10 a 15 minutos.
Corte a couve em quadrados ou tiras largar (do tamanho que dê para colocar na boca sem precisar cortar). Pique o alho em lâminas, e refogue em um pouco de azeite, acrescentando a couve quando o alho começar a soltar aroma. Refogue a couve até ficar macia, mas ainda com uma cor verde viva.
Finalize a polenta, desligando o fogo e acrescentando a manteiga e batendo bem. Sirva a polenta em prato fundo, colocando o molho de tomate e carne por cima, e depois a couve no topo de tudo. Regue com bastante azeite e rale um pouco de parmesão por cima, ou acrescente lascas de queijo-minas no meio da polenta.
Outra dica é substituir a carne por cogumelos frescos, como o cremini ou shiitake, como uma ótima opção vegetariana. Ou ainda usar outros tipos de folha verde-escura, como o espinafre ou a rúcula.

Outro Post

Aqui temos 10 comentários. Adicionar.

  1. Mel, também nunca fui fã de polenta e era frequente ter na casa do meu pai. De uns tempos pra cá estou aprendendo a gostar. Semana passada mesmo fiz uma carne (músculo) ensopada com banana da terra e só não complementei com polenta porque estava muito gripada e ficar na beira do fogão não ia me fazer bem. Outra opção é comê-la mais molinha com molho de tomate e linguiça ralada ou pura temperada com gorgonzola. Existem mil maneiras de preparar polenta!! (plageando, Neston, lembra??!)

    E como está se sentindo sem o glutén?

    Para mim, tirar o pão do café da manhã mudou tudo. Agora a digestão acontece tranquilamente. Antes era super pesada…

    Grande beijo da Maria mais feliz pela manhã (e no resto do dia)!!

    • Oi Maria, linguiça realmente é uma coisa que vou tentar da próxima vez. Já posso até sentir o gosto. Compro uma de cordeiro meio picante muito boa.
      To me sentindo muito triste sem o glutén 🙂 Fora isso, nada de muito diferente em relação a digestão ou nível de energia. Vamos ver o que acontece quando eu voltar a comer, pois com o organismo ‘limpo’ é qe realmente vou conseguir perceber se existe alguma reacão forte.
      outro grande beijo!

  2. Sandra

    Cresci vendo minha Mãe (vó da Melissa) fazendo polenta. Sou apaixonada pela polenta dela acompanhada com galinha ensopada. Não tem igual. Para ela o fubá tem quer o da roça (como ela diz). Ele é grosso. O de supermercado fino não serve. Experimentem com carne seca ensopada. É bom demais.

    Quanto a minha semana delicioso ano novo decidi retirar completamente o refrigerante da minha vida. Bebida que não tem nada de aproveitável para a nossa saúde. Estou super feliz com essa decisão. Agora prefiro uma boa água ou um suco natural que é bem mais saudável. Também acrescentei sementes de girassol, que é bem saborosa, quinua e linhaça. Como me disse Melissa um dia, vamos virar passarinho.

    Bj

    • Nossa, Mãe, meu mais novo ingrediente favorito é a semente de girassol. Comi essa granola no retiro que fiz no ano novo, cujo ingredientes são sementes de girassol, nozes, amêndoas e frutas secas (no caso era cranberries, mas outro dia fiz damasco e ficou ótimo), tudo cru, sem tostar. Fica delicioso e supercrocante!

  3. Janaina

    Oi Mel,

    Sempre fui fã de polenta. Na verdade pra mim o nome certo é ANGÚ. Como boa mineira, o angú sempre fez parte das minhas refeições. Lá em Minas, minhas Tias torram o fubá no fogão de lenha e depois preparam o angú. O gosto fica divino. Adoro comer a rapa da panela com queijinho ralado. Parece fandangos sem conservante. Bom demais! Em Minas comemos muito angú com costelinha de porco. Nada saudável. A idéia dos cogumelos é ótima e vou experimentar.
    Comecei a mudar alguns hábitos: comer mais legumes e verduras, carnes grelhadas e peixe, yogurte natural, granola e substitui os doces por frutas. Essa é a pior parte, pois AMO CHOCOLATE. Porém, grávida de 6 meses tenho que pensar não só na minha saúde, mas de minha pimpolhinha. É uma baita motivação! Beijos com saudades Jana

    • Oi Jana. Chocolate meio amargo orgânico é uma ótima opção para saciar esse desejo, afinal de contas, tem muitos anti-oxidantes e minerais 🙂

  4. Mê, parece que eu já provei esta receita que vc passou aqui… rs.. só não lembro onde!
    Eu fico, de longe, com o opção vegetariana. Vc lembra qual cogumelo eles usaram?
    Muito obrigado pela receita! Estava tentando relembrá-la para fazer aqui no Brasil.
    Bjos!

    PS: ainda me lembro quando provei, num dos almoços na casa da sua vó, a polenta com galinha ensopada que ela faz.

    • Eu não sei exatamente, tenho a impressão que são oysters mushrooms, mas quando eu for lá no Al Di La do novo comer a polenta, eu pergunto. 🙂

  5. Dri

    Sabe que eu também não era fã número 1 da polenta, mas de uns tempos para cá tenho gostado cada vez mais. Não sei se é a saudade da comida de casa, o friozinho,…
    O que importa é que a primeira polenta da Mel ficou simplesmente maravilhosa!!! E com um restinho que sobrou, eu fritei à noite com queijo minas que dei sorte de ter aqui.
    Perfeita!!! Confort food total! Me fez tão bem. Obrigada Melzinha!
    Beijos.

    • Vó italiana é uma benção mesmo 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba novidades sobre meus conteúdos, cursos e serviços