Receitas

Receita de sal de ervas

Share this:

Tempero adiciona mais sabor e ainda traz os benefícios do sal não refinado

Quase todo mês no encontro de coaching em grupo diversas clientes perguntam sobre o uso do sal: qual é o melhor sal para ser consumido? O que é sal marinho não refinado? Preciso gastar uma fortuna no tal sal rosa do Himalaia? Além do perigo do excesso de sódio, o que mais faz mal no sal? E por aí vai.

O ponto principal é o seguinte: o sal branquinho soltinho fininho que compramos no supermercado e encontramos nos restaurantes causa muitos problemas de saúde quando consumido diariamente. Inchaço e retenção de líquidos, ganho de peso, dores de cabeça são os mais comuns. Mas os agentes antiumectantes e branqueadores, substâncias químicas que fazem ter essas características acima, contém elementos tóxicos para o organismo, e causam um estrago nos nossos hormônios e nossa saúde.

Mas a gente precisa de sal, tanto para dar mais graça para a comida, quanto para processos básicos do funcionamento do organismo. Então, que sal consumir? Eu costumo comprar sal não refinado, ou seja, sal que venha em pedrinhas e que não seja branquinho. Primeiro porque é muito mais provável que ele não contenha essas substâncias nocivas que falei acima, incluindo o iodo, que em excesso pode causar distúrbios na tireóide, e segundo porque

ele contém muito mais minerais importantes junto com o cloreto de sódio, incluindo o magnésio e o potássio, conhecidos neutralizadores dos efeitos do excesso de sódio no organismo.

Por isso, talvez valha sim a pena investir em um sal rosa do Himalaia, ou um sal cinza de Guérande, ou o sal de Mossoró, –sempre em pedrinhas – afinal de contas os benefícios os diversos minerais presentes valem a pena o investimento. Quando for investir nos sais diferenciados, leia sempre o rótulo para saber se não há outros ingredientes juntos, pois muitos dos sais coloridos e com sabores contém maltodextrina, glutamato monossódico, e outras coisinhas não muito bem-vindas no nosso dia a dia. Lembrando que a flor de sal não é uma boa fonte de outros minerais importantes, apesar de não ser refinado.

different types of salt (pink, sea, black, and with spices)

Mas para quem não pode ou não quer comprar os sais importados ou diferenciados, vale comprar o sal comum em pedrinhas, ou o sal para cavalo ou para vaca (encontrado em lojas de produtos animais, dica que recebi da galera da antroposofia).

Para transformar o sal de pedras para um fininho para temperar comida, é só usar o liquidificador ou processador de alimentos. Em poucos segundos, você tem um sal prontinho pra ser usado com muito mais benefícios. Pegue esse como base para fazer essa receita.

Sal de Ervas

Tempo de preparo: 5 min | Tempo de cozimento: 15 a 30 minutos | Serve: cerca de 60g 

Ingredientes

1/2 xícara de sal em pedras pequenas
2 xícaras de ervas frescas (tomilho, orégano, alecrim, sálvia, salsa, etc)
raspas de 1 limão
4 a 5 dentes de alho sem pele e picados

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno a 160ºC. Coloque todos os ingredientes num processador de alimentos e bata bem até tudo estar bem triturado. Em uma travessa baixa, coloque a mistura fazendo uma camada bem fina. Coloque no forno na grade do meio, e asse até desidratar. O tempo de forno depende da quantidade de umidade presente no sal e nas ervas no dia. Verifique de 10 em 10 minutos, mexendo um pouco para desidratar por igual. Quando estiver em seco, retire do forno e deixe esfriar completamente, antes de armazenar em um pote de vidro bem fechado. Ele dura por muito tempo, porém o sabor das ervas fica mais presente por cerca de 3 meses.

Dica: se você precisa de repor iodo por problemas na tireóide, acrescente algas marinhas nesta receita, para uma suplementação natural que contém diversos outros minerais benéficos. Nori, hijiki ou wakame podem ser usadas. Esse sal com algas fica especialmente gostoso com peixes, frutos do mar, tofu ou simplesmente no arroz.

Mais informações sobre benefícios do sal não refinado aqui.

Imagens: healthimpactnews.com/saltysweetlifedotcom.wordpress.com

Outro Post

Aqui temos 6 comentários. Adicionar.

  1. Camila

    Oi Melissa, fiquei com dúvida em relação ao sal em pedra. Este sal que você se refere seria o sal grosso?

    • Melissa Setubal

      Oi Camila, é um sal ainda mais grosso que o sal grosso que normalmente encontramos nos supermercados. Esse em pedras vamos encontrar à venda pela internet, em lojas de produtos à granel e naturais, ou ainda, como falo no artigo, em lojas de produtos para animais de grande porte.
      Saúde e Amor!

  2. Ise Mahsati

    Gratidão pela matéria, sempre muito educativa. Eu não conhecia o “sal cinza” e devido a uma postagem sua eu corri pesquisar na internet e (sorte) no dia seguinte tinha uma viagem marcada pra São Paulo na 25 de Março e dei um pulo até a Zona Cerealista e o comprei. Simplesmente amei! Muito saboroso. Agora estou me aventurando na cozinha, já que eu e ela estamos cada dia mais amigas, rs

    • Melissa Setubal

      Ise, que demais saber que você está num caso de amor com sua cozinha, e que tem um novo item nela que está fazendo suas preparações ficarem ainda mais deliciosas! Sempre uma alegria tê-la por perto! <3

  3. Lilian

    Oi Melissa, obrigada pela receita.

    Quanto a alga, deve ser colocada no forno ou só adicionada depois do forno?

    • Melissa Setubal

      Lilian, pode ser acrescentada depois, uma vez que ela já vem desidratada 😉

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba novidades sobre meus conteúdos, cursos e serviços